No Profit? No Problem

5 de Março de 2012 às 04:41

Vou começar este artigo quase sem introdução e com uma afirmação que é quase uma completa antítese a tudo o que é dito dentro da Cultura deste jogo: A minha maior downswing foi a melhor coisa que me aconteceu. Pois bem, passo agora a provar a minha sanidade mental e estado de sobriedade.
 
Depois de um começo de 2011 que superou as minhas expectativas, deparei-me com um último trimestre um pouco mais complicado. As WCOOP não correram de grande feição, e apesar de alguns deep runs, nenhuma bracelete foi enviada para a Madeira. Nos meses seguintes, enfrentei um dowswing/break even que durou mais ou menos 3 meses e meio. Nesse espaço temporal, podemos descontar o mês e tal que tive doente em casa com uma infecção respiratória, mas de qualquer forma, ainda foi um número considerável de torneios. Em Mtt´s, é certamente natural este downswing/break even se tivermos em conta a grande variance que este formato traz consigo, e acontece a todos os jogadores. Com maior ou menor acentuação, com maior ou menor duração, desde bons jogadores a superstars, acontece. E eu, certamente, não sou excepção.  
 
Como em tudo, a diferença está nos pormenores, e a forma como um jogador de Poker lida com as fases negativas (leia-se: negativas em termos da não obtenção de lucros), vai diferenciar os maus dos medíocres, e os bons dos grandes jogadores. 
 
Como a variance é algo tão presente e constante na vida de um Profissional de Poker, saber lidar com a mesma vai ser provavelmente o factor determinante aA par da paixão pelo jogo e Bankroll Management) para a duração de uma carreira como Profissional. Muitas vezes, a diferença entre a capacidade para jogar Poker Part-Time e fazer do jogo Profissão, poderá estar na capacidade para lidar com a variance. Vejam o exemplo dos melhores jogadores que conhecem. Existe algo em comum para além de contas bancárias recheadas: A grande maioria parece perder muito pouco tempo a falar das bad beats. Muito menos deixarem o seu jogo ser afectado pelas mesmas. A nível internacional Phil Galfond, Tom Dwan, Patrik Antonious, Phil Ivey ou Nanonoko, são bons exemplos. Dentro dos jogadores nacionais, João Barbosa ou Michel Dattani seriam bons exemplos também, só para referir alguns daqueles com quem falo mais.
 
Para os que estiverem a pensar nas excepções à regra (existem sempre) tal como o Zigmund, eu abro uma excepção à minha regra de não fazer apostas de qualquer tipo, e estou disponível para apostar que existe uma maior possibilidade da carreira dele acabar (ou ir busto) antes da dos outros.
 
Voltando ao tema das dowswing, existe uma frase muito interessante que algum dia ouvi em algum lado, sem saber no entanto onde e quem a disse, que é algo mais ou menos do género: “Um leão não caça de barriga cheia”. 
 
Antes que comece a ser gozado por trazer parábolas da primária para aqui sem aparente razão, vou explicar o que quero dizer: Eu acredito que o sucesso constante torna-nos mais preguiçosos. O Bem-Estar, torna-nos comodistas. Considero-me uma pessoa extremamente aplicada nas coisas que amo. Nunca deixei de dar o meu melhor em fase alguma da minha vida nas coisas pelas quais aplico-me a fundo. Não é auto caracterização egocentrista, é mesmo maneira de ser. Seja em fases de sucesso ou insucesso, tento manter-me o mais fiel a mim mesmo. Os mesmos valores, a mesma personalidade, o mesmo empenho, a mesma humildade. Ainda assim, há sempre uma tendência que acontece com religiosa precisão: Empenho-me sempre um pouco mais em situações adversas.
 
Não me entendam mal. Não acho que tenha jogado mal em fase alguma da downswing, nem acho que tenha perdido Edge sobre o field (nem muito menos deixei de estudar o jogo) enquanto estava a ganhar constantemente. Se tivesse que contar as vezes que entrei em qualquer tipo de tilt não teria que utilizar todos os dedos das mãos e não acho que tomei decisões especialmente erradas nessas situações. Ainda assim, existe sempre algo de especial durante uma Downswing: Fica aquele saborzinho amargo na boca que faz com que me aplique ainda mais.
 
Todos aqueles que estão a ler este artigo e fazem parte do grupo dos que não gostam de perder nem a feijões, certamente entenderão o que acabei de escrever. É essa aversão ao sentimento de derrota que faz-nos correr um pouco mais, trabalhar um pouco mais, exigir um pouco mais do que o nosso corpo estaria confortável. Essa é também a razão pela qual acabamos a comer a feijoada de borla.
 
Num dos livros que li recentemente (“The Talent Code” – Daniel Coyle) o escritor apresentava um estudo realizado às pessoas mais bem-sucedidas da História no Desporto, Arte, Política, etc. Este estudo revelava que o número destas personalidades que tinham perdido pelo menos um dos pais em criança era muito maior que a percentagem normal. Se o número incluísse separações, o número disparava. Se fosse tido em conta as situações de pobreza ou de grandes dificuldades durante a infância sobravam poucas dúvidas: O sentimento de insegurança/adversidade é um enorme catalisador para horas infindáveis de trabalho intenso. E o sucesso será resultado desse empenho. 
 
A fórmula para o sucesso, seja na escola, desporto ou jogo do berlinde, passa inevitavelmente pelo mesmo: Trabalho + Talento. E visto que acredito que o “Talento” é adquirido através de horas e horas de prática em níveis de concentração extremos, para mim, o sucesso depende quase exclusivamente do empenho que pões aquilo que fazes. Tragam-me o preguiçoso mais talentoso do Mundo, e garanto-vos que os meus 90% de trabalho esmagam os seus 10% de talento.
 
Apesar de ser suspeito, como qualquer fã de Basquetebol, por idolatrar o Michael Jordan, existe um anúncio televisivo onde o próprio diz que o seu sucesso esteve muito longe de começar e acabar em todos os campeonatos vencidos, em todos os lançamentos no último segundo para ganhar o jogo. O seu sucesso esteve nas longas e duras horas passadas a trabalhar duro. Mais duro que os outros todos. Mais horas que os outros todos. 
 
No nosso caso, as downswings (apesar de no Poker o sucesso não pode ser medido pelo lucro ou falta do mesmo) funciona como o nosso sentimento de desconforto. As downswings, são a nossa adversidade. Estas fases, em vez de serem períodos obscuros de frustração e revolta com a “JokerStars”, misturados com alguns ratos e ecrãs partidos, com uma pitada de insultos suficientes para 7 gerações da família do “Donk” que acabou de acertar num gutshot para finalizar a receita, podem ser vistos de outra forma. 
 
As swings podem ser um pouco mais do que isso. Podem e devem ser uma bruta carga motivacional para evoluir, eliminar leaks, e uma infindável fonte de energia para aproveitar todo e qualquer cêntimo que exista para ganhar nas mesas em toda e qualquer mão. Cada vez que a vontade de estar ao melhor nível possível não esteja totalmente lá, uma pequena recordação daquelas fases em que parece que não há uma race que venha para o nosso lado fará com que a vontade apareça de novo. Todos queremos evitar esses períodos.
 
Hoje estou a jogar com um nível que deixa-me honestamente orgulhoso de mim mesmo por ter conseguido evoluir de forma tão substancial em tão pouco espaço de tempo. E tenho a certeza que não estaria a jogar a este nível se não tivesse passado por esta downswing. 
 
Ficou muito dinheiro nas mesas comparado com o “valor esperado”? Ficou. Estive a uma ou duas races de, em certos torneios, fazer um score que faria com que nem tivesse qualquer downswing? Várias vezes. Mas a motivação que ganhei desta downswing fez com que trabalhasse mais que nunca, e o que aprendi e evoluí não tem preço. E esse trabalho é necessário. Esse esforço é crucial.
 
Esta downswing, foi mesmo a melhor coisa que me aconteceu. Testou a minha capacidade de trabalho, testou a minha motivação e testou a minha capacidade de sacrifício. Orgulhosamente, posso agora dizer que passei nesses testes todos. E no fim, serão os obstáculos e as dificuldades que irão tornar o sabor do sucesso, ainda mais doce. 
 
João “Naza114” Vieira
 


Comentários (50) Comentários


5 de Março de 2012 às 04:43
galatrixo Autor verificado disse
two thumbs up!

5 de Março de 2012 às 04:45
FreeLancerZ Autor verificado disse
well done :)

5 de Março de 2012 às 07:50
hencus Autor verificado disse
True story, same here.
Óptimo post e obrigado pelo mesmo!

5 de Março de 2012 às 08:01
olemsiul Autor verificado disse
Nice post!
Nao somos tao bons como nos julgamos nas vitorias, nem tao maus como quando perdemos. Neste prisma o teu post e um optimo contributo para todos encontrarem forcas na adversidade!
Parabens!

5 de Março de 2012 às 08:58
SrSantinos Autor verificado disse
Gostei! Acho um bom contributo para a Comunidade!! Ty

5 de Março de 2012 às 09:12
Pokerpiu1 Autor verificado disse
Bom post naza !

5 de Março de 2012 às 09:23
JotaEne Autor verificado disse
Bom post!

:)

5 de Março de 2012 às 09:27
kingchanell Autor verificado disse
Parabéns,

Grande trabalho,



Há muita gente que espera que o sonho se realize por magia. Mas toda magia é ilusão . E ilusão não tira ninguém do lugar onde está. Ilusão é combustível de perdedores.”

Um abraço


5 de Março de 2012 às 10:22
ShepherdOC Autor verificado disse
Congrats pelo artigo que está o max, e pelos teus rewards :)

5 de Março de 2012 às 11:10
D333P Autor verificado disse
wp naza. keep crushing!

5 de Março de 2012 às 11:41
leodos2 Autor verificado disse
Boas João.
Desculpa parecer do contra, mas quando te referes ao teu downswing no final de 2011 queres dizer que não ficaste satisfeito com os teus 380K UP? ou refereste ao facto de não teres conseguido nenhuma Bracelete?
"No Profit? No Problem" Parece-me um bom post de um poker player para a comunidade enquanto conteudo, mas apenas isso.
Mas ainda mais importante, espero que essa infecção respiratória, esteja completamente resolvida.
Abraço
Paulo Leones

5 de Março de 2012 às 12:06
DanielPT Autor verificado disse
Parabéns e obrigado pelo teu óptimo post. Muito moralizador...

Apenas não percebi o significado de "downswing/break even". Como não fui ver os teus stats acabei por não perceber se acabaste por ficar "mais ou menos" even ou se ficaste down.

Espero voltar a ler-te muito brevemente.

Cumprimentos,
DanielPT

5 de Março de 2012 às 12:38
CALLIBAN Autor verificado disse
Parabéns, Naza. Muito bem escrito como sempre:)

Devo-te dizer que me revi nessas palavras. Tornei-me mais forte no meu 1ºbrutal downswing. Depois disso (qd pensamos que nao pode piorar) voltei a ter um brutal composto por coolers e bad beats online, mas também bad beats na minha vida (que incluiu perder 2 aviões na mesma semana, uma pipa de massa e o impedimento de conseguir chegar a Portugal para o natal...).
Digo sem vergonhas que praticamente recomecei do zero, pois fui obrigado a voltar para os micro-limites. Falaste de 3 meses, curioso, pois eu sinto-me agora mais em forma do que nunca, agora, 3 meses em downsing. Nos últimos 10 dias fiz algumas final tables. Não foi muito o dinheiro que ganhei,visto ser micro limites, mas em termos de buy-ins e/ou ROI foram mais do que suficientes para recuperar a confiança e saber que posso e vou regressar em força.
Sinto-me também motivado ao escrever isto, pois à coisa de 1 hora atrás fiz uma final table, conseguindo mais um 4lugar.
Existe algo que li há muito, mas que só anos depois veio fazer sentido: "Todo o jogador de poker deveria passar pela bancarrota uma vez na vida" e eu acrescento: ou pelo menos perto dela.

Entendo o que dizes em relação à preguiça. Quando estamos em downswing, existe uma coisa que colocamos na cabeça qd nos sentamos na mesa "okay, vou jogar. A única forma de eu perder será se a variância me quiser fo..(lixar não rima...lol); portanto erros não posso cometer".
E depois existe o trabalho offline tal como revisão de sessão mais exaustiva (falo por mim aqui). O resultado é que sairemos mais fortes. Não querendo ser teatral, mas sendo, não é assim com tudo na vida? Os obstáculos não nos tornam mais fortes? "O que não nos mata, torna-nos mais fortes" parece a frase ideal aqui.

Isso de que falas dos jogadores que não falam das suas bad beats, pode ser resumido numa frase do Esfandari que eu muito gosto "não fales das tuas bad beats com outros jogadores, pois eles não estão interessados em ouvir". Todos nós temos, e quando as estamos a ouvir, estamos a ouvir por simpatia, quando na realidade pensamos "omg, here we go again..."

Pelo que percebi, terminaste o teu downswing. Ainda bem. Mesmo assim, acho que deverias ler isto. O exemplo do Esfandiari - o que lhe aconteceu. Muito "boa" história.

http://sports.espn.go.com/espn/poker/columns/story?columnist=bluff_magazine&id=4381359

Abraço e bom skill nas mesas ;)

5 de Março de 2012 às 12:41
CALLIBAN Autor verificado disse
DESCULPA, Esfandiari não...o artigo é do amigo dele - Phil Laak ;)

5 de Março de 2012 às 12:58
Optimuu Autor verificado disse
Muito bom! Parabēns

5 de Março de 2012 às 13:21
Diego16fcp Autor verificado disse
Simply the best :D Go Madeira :D

5 de Março de 2012 às 13:28
kingchanell Autor verificado disse
"Bruttall"






Quem tiver visto a entreviste de "RUINF" penso que este artigo lhe passa uma mensagem e tu deves saber do que falo... o futuro dira!!!










Best King



5 de Março de 2012 às 13:29
kingchanell Autor verificado disse
entreviste/a heehe

5 de Março de 2012 às 14:01
caramelo11 Autor verificado disse
Grande Campeão que demonstras ser nessas uas palavras! Estás num Fantástico caminho rumo à Glória pois dominas a parte mais importante do jogo ( a parte psicológica). Força!!!

5 de Março de 2012 às 14:19
barbados Autor verificado disse
estes artigos são tao importantes como estudar o jogo e fica mais uma vez relatado que as downswings são períodos cruciais para a evolução de um jogador.

kingchanell- acho que é uma mensagem para todos os que procuram o sucesso.

ty naza ;)

5 de Março de 2012 às 14:37
aeroporto Autor verificado disse
Este artigo entra no TOP 10 da PokerPT...pelo menos para mim:)

"O Gigante do Adamastor mais uma vez conquistado."


Um abraço.

5 de Março de 2012 às 14:43
jotaP Autor verificado disse
Muito bom ! Parabéns !

5 de Março de 2012 às 14:53
litleriver Autor verificado disse
Muito bom.
Parabéns!!

5 de Março de 2012 às 14:56
jorginho88 disse
Muito provavelmente o melhor artigo que li até agora nos blogs.

5 de Março de 2012 às 15:15
winsousall Autor verificado disse
Excelente post (bem escrito e com sumarento conteúdo).
Continuação de bom trabalho.
Abraço,
Bruno de Sousa

5 de Março de 2012 às 15:19
alexvieira Autor verificado disse
Ace lente! :p

Mt bom post!

5 de Março de 2012 às 15:20
speederll Autor verificado disse
Muito bom artigo :)

5 de Março de 2012 às 15:57
back2basics Autor verificado disse
Também gostei de ler. Achei especial graça à tentação do insulto: quem nunca deixou escapar um "donk" depois de atropelado por um fish no river?... ainda que o insulto caracteriza mais o seu autor que o destinatario (não mencionando os "insultadores profissionais"!).
Faz falta aqui um post sobre os jogadores "normais" em que me incluo: jogadores com um mínimo de conhecimentos, que já ganharam torneios menores, mas que não têm tempo, talento ou aspiração de ir mais longe.
Nem todos queremos ou podemos ser jogadores estratosfericos e passar infindaveis horas a jogar e/ou estudar o jogo (a minha unica vitoria num MTT terminou chopped ao fim de 12 horas...).
Para nós, também há estrategias de bank roll, de jogo, de eleiçao de torneios, etc, que gostaria de ver postada por quem sabe.
Afinal, somos nós jogadores "normais", que jogamos basicamente pelo prazer do jogo e pela hipotese de ganhar uns cobres, quem fazemos do poker inline o fenomeno mundial que ele é actualmente.
Abraços à comunidade (back2mino nas mesas)

5 de Março de 2012 às 17:22
zumy Autor verificado disse
Sem dúvida um exemplo a seguir, excelente artigo em que toda a abordagem espero que sirva de inspiração para todos aqueles que querem abraçar o poker como profissão. Parabéns.

5 de Março de 2012 às 17:36
Darkored Autor verificado disse
Bom post Naza!

Continua a escrever ^^

Um abraço!

5 de Março de 2012 às 17:57
FESTÃO Autor verificado disse
Excelente conteudo!
Parabens

5 de Março de 2012 às 18:24
rickpereira7 Autor verificado disse
Devo dizer que a parte dos insultos ao donk deve ter sido baseada em mim. :P

Great post sir! Beasttttttt!

5 de Março de 2012 às 18:27
Neon710 Autor verificado disse
Muito bom, obrigado por partilhares!

5 de Março de 2012 às 18:36
HugoSousa Autor verificado disse
Muito bom, tambem passei por um downswing e o que me passou pela cabeca foi que estava a jogar pior, e realmente estava, pois desleixei-me e nao aguentava a concentracao e disciplina das maratonas dos toneios, era o meu forte, mas simplesmente ja nao consguia manter a concentracao tantas horas, e sabem qual foi a razao!?? Fui pai :) a melhor coisa do mundo, mas sossego em casa, so da parte do fim da noite e a essa hora ja estou esgotado, por isso meus amigos...aproveitem para obter lucros agora, porque depois as downswing sao quase uma constante, e apesar do conhecimento estar la, passam para os sit and go, porque ter uma crianca de 1 ano pela casa e maravilhoso, mas bye bye tournements lol

5 de Março de 2012 às 20:01
k_silva_k Autor verificado disse
grande naza um texro para todos refletirem os bons e os menos bons.


continua com a tua carreira és grande pah!

5 de Março de 2012 às 20:08
5qzekas Autor verificado disse
n1! excelente artigo! e parabens pela vitoria de ontem! um abraço

5 de Março de 2012 às 22:18
Padretopa Autor verificado disse
Brilhantemente inspirador!!!

Muito "deep".

Parabéns!!!

5 de Março de 2012 às 22:48
ninesoup Autor verificado disse
boa:)

6 de Março de 2012 às 02:19
Naza114 Autor verificado disse
Obrigado a todos. É com grande prazer e honra que leio estes comentários. Espero que o artigo vos seja minimamente útil.

Abraço

6 de Março de 2012 às 11:05
danipx2 Autor verificado disse
Dos melhores artigos que li de poker em muito tempo! Well done.

6 de Março de 2012 às 11:13
meninho7 Autor verificado disse
Achas que já tiveste um downswing no shark não dá para ver, não és mesmo a pessoa indicada para falar disso desculpa lá a franqueza.

6 de Março de 2012 às 11:55
rtph Autor verificado disse
Realmente só vem dar mais força para continuar, um grande obrigado.

6 de Março de 2012 às 12:07
shipower69 Autor verificado disse
@meninho7 pelos vistos só tu é que não vês essa downswing...eu vi.

6 de Março de 2012 às 15:35
pukax9 Autor verificado disse
Mto bom!!

Um exemplo para todos nós!

gg

6 de Março de 2012 às 22:47
passinhas91 Autor verificado disse
Parabéns Naza acho que o artigo está muito completo e excelente. Espero que tenhas muita sorte no futuro com o poker. Abraço passinhas91

7 de Março de 2012 às 03:59
arienrahc Autor verificado disse
Espectacular. Alta demonstração de caracter.

7 de Março de 2012 às 05:54
pokercv Autor verificado disse
muito bom

7 de Março de 2012 às 14:56
AntonioSoares Autor verificado disse
A necessidade aguça o engenho..
Well done Naza ;)

8 de Março de 2012 às 12:51
CALLIBAN Autor verificado disse
Naza, leste o artigo que te pus aqui do Laak? :P

1 de Abril de 2012 às 19:37
Ulfilanis disse
Foi o primeiro texto que li do João. E que bela forma de começar! Gostei mutio!!PS. Alguém escreveu que os SnG são a variante dos pais com filhos pequenos. Eu vou para o segundo e sei bem o que isso é. MTT não é fácil quando se tem tão pouco tempo disponível. Mas não se pode ter tudo. ;)

Os comentários efectuados por utilizadores não registados terão de ser aprovados por um moderador.
Pode fazer Login ou, se ainda não é membro, Registar-se de forma a poder comentar sem moderação.

Nome

Email
Resolver o enigma: 2 + 5


 

Naza114 - João Vieira

Naza114

João Vieira

João Vieira é um estudante de 22 anos da Madeira que encontrou no poker um hobbie depois de terminar a sua carreira de jogador de basket. Conhecido online como Naza114, ocupa neste momento o primeiro lugar nacional do RankingPocketfives e acumula resultados atrás de resultados nos torneios da PokerStars. Podem também acompanhar os seus resultados em Naza Team.


Últimos posts